Pin It

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Resumo do Quarto dia de SPFW N46. Confira quais foram os pontos altos do quarto dia de SPFW N46 com vários desfiles e novidades.

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Desfile Gloria Coelho

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Gloria Coelho – SPFW N46
out/2018
foto: Sergio Caddah / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Gloria Coelho – SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Gloria Coelho – SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Gloria Coelho – SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Gloria Coelho – SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Para Gloria Coelho, essa é uma coleção para redefinir origens – ou pontos de partida – rumo à construção de uma imagem que traga a reinterpretação de um mix de referências que resultam em novas propostas de moda, conectadas com o tempo que a gente vive hoje. Para fazer isso, ela revisita os próprios códigos, acrescenta novas ideias próximas do seu repertório de pesquisa. A novidade é que lida com tudo isso de maneira diferente, e são nesses deslocamentos que aparecem as novidades de sua nova coleção.

A alfatiataria, sempre presente, está nos looks mais sequinhos e ajustados, mas também na série de calças bem amplas, de cintura alta, em looks monocromáticos ou bicolores. A única estampa da coleção é um floral no fundo preto, um mix de flores tiradas de duas pinturas que inclusive já serviram de base para uma estampa de uma coleção antiga. Dessa vez, porém, o jeito de usar é mais bucólico, um mix de hippie setentista com referências à estilista britânica Laura Ashley e caubói. Os recortes vazados são matemáticos em muitos looks, mas também aparecem como se fossem buracos na série com a calça marinho, o vestido militar e o preto, ambos longos. Nos vestidos de festa, o frufru romântico intelectual de Gloria foi atualizado com aplicações de bolas que fazem referência à arquitetura escandinava, na base do tule transparente preto. (CAROLINA VASONE)

Desfile Helena Pontes (Projeto Estufa)

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Projeto Estufa / Helena Pontes – SPFW N46
out/2018
foto: Carolina Vianna / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Helen Pontes e Adriana Valente – Projeto Estufa
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Helen Pontes e Adriana Valente – Projeto Estufa
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Helen Pontes e Adriana Valente – Projeto Estufa
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Helen Pontes e Adriana Valente – Projeto Estufa
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

A pernambucana Helena Pontes abriu o Projeto Estufa nesta quarta com um desfile chamado Marias, que fala sobre “mulheres pássaros, que estão sempre em movimento e voam para onde elas querem ser”. “Venho de uma família nordestina que tem oito Marias, todas pássaros. A partir delas, eu falo com todas as outras mulheres”, disse a estilista no camarim, poucas horas antes da apresentação.

Formada em design gráfico, Helena mostrou uma coleção enxuta (no bom sentido) e bem editada, em que deixa claro seu DNA de recortes geométricos em alfaiataria minimalista construída por fibras naturais como linho e 100% algodão. A geometria funciona também para fazer referência às asas dos pássaros, porém de forma sutil e fluída.

Com uma equipe de peso ao seu lado (styling de Marcell Maia, beleza de Dani Hernandez e trilha de Max Blum), ela mostra um desfile correto e já com entendimento comercial. Vale destacar também o trabalho da designer Adriana Valente, que assina as peças de madeira que pontuam a coleção com delicadeza e beleza. (Camila Yahn)

Desfile Ão (Projeto Estufa)

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Projeto Estufa / Ão – SPFW N46
out/2018
foto: Carolina Vianna / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Ao – Projeto Estufa
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Ao – Projeto Estufa
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Ao – Projeto Estufa
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Ao – Projeto Estufa
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Azuis. A simplicidade que está no nome da coleção da ÃO acaba por aqui. O desfile da marca de Marina Dalagarrondo é um exercício de forma e volume, pilares de seu trabalho na ÃO.

No release, Marina diz que o azul é a cor das dimensões ilimitadas, o que já é uma informação bonita de se ler. “Sempre fui apaixonada por cor, combinações e gradações cromáticas”, ela me conta após o ensaio de seu desfile.

Ela parte então de algo aparentemente minimalista – a cartela de cores – para o maximalismo dos volumes que alcançam formas radicais no final. Marina trabalha na gradação do azul, do bebê ao marinho – o volume cresce à medida que o azul fica mais forte. Alguns looks são reproduzidos em branco, permitindo o comparativo do mesmo modelo nas outras cores.

Marina faz um estudo de utilização de grandes quantidades de tecido comprimidos em elástico, cordas e franzidos que reconfiguram a silhueta. As formas finais dos últimos dois looks remetem à coleção histórica da Comme des Garçons, “Body Meets Dress, Dress Meets Body”, de 1997.

Formada em figurino, Marina chamou uma figurinista para assinar o styling. A cearense Isadora Gallas, que conheceu em um trabalho para a cantora Ava Rocha, trouxe para o desfile soluções técnicas mais do que um styling propriamente dito. Seu jeito de enxergar a estética da ÃO, “futurista, mas também renascentista”,

A marca produz duas coleções por ano e suas peças podem ser encomendadas no ateliê. “A forma como eu armo a roupa na passarela é muito diferente do que no ateliê. Gosto muito do espetáculo, do desfile, do editorial. Mas em outro contexto, é uma peça comercial”, explica Marina.

O que ela mostrou hoje foi muito além do que uma coleção. Foi a construção de um pensamento estético e um questionamento sobre expressão, individualidade e liberdade. Enquanto escrevo, e na verdade sempre que vejo o nome da marca, não consigo deixar de lembrar de um cartaz escrito à mão que vi na escola da minha filha: ão, ão, ão, liberdade de expressão!(Camila Yahn)

Desfile Korshi 01 (Projeto Estufa)

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Projeto Estufa / Korshi 01 – SPFW N46
out/2018
foto: Carolina Vianna / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Korshi 01 – Projeto Estufa
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Korshi 01 – Projeto Estufa
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Korshi 01 – Projeto Estufa
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Korshi 01 – Projeto Estufa
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Logo ao entrar no camarim já dava para sentir a energia da Korshi 01, marca de Pedro Korshi e Albner Moreira, que estreou nesta quarta, no SPFW, como parte da programação do Projeto Estufa.

No ensaio, Pedro não se continha e comemorava a entrada de cada modelo. O casting heterogêneo foi feito com a ajuda do stylist Marcio Banfi, que também se alimentava do frescor da marca. “Eles não tinham muita noção de nada, das coisas que temos que fazer para levantar um desfile. E essa inocência é o que é mais lindo”, diz Banfi.

Mas a inocência para por aí. Autodidatas, com 20 e poucos anos e menos de um ano de trabalho, Pedro e Albner sabem muito bem o que querem: construir uma marca de design contemporâneo com foco na versatilidade. Todas as peças têm mais de uma função. Todas. O macacão, por exemplo, vira capa, vestido e casaco. O trench coat tem sete funções. “Para produzir os sete itens, gastaríamos 13 metros a mais de tecido X 1.500 litros de água”, conta Albner.

Essa preocupação não fica só no discurso, está de fato enraizada em todo o processo deles. Ser multifuncional é um comprometimento com isso: através de botões de pressão (muitos!), as peças são versáteis, mutáveis e podem ser usadas de diferentes formas. No backstage eu já estava ficando zonza com as inúmeras possibilidades de “destaca a manga aqui para virar perna ali”, entre muitas outras maneiras de transformar. “Queremos ampliar essa visão de repensar, de dar uma segunda chance aos objetos, e usamos a moda para fazê-lo”.

Há uma inteligência por trás de cada roupa e a imagem que resulta delas, seja qual for a sua forma, é contemporânea e em sintonia com uma estética atual que faz convergência entre street e sportswear.

Um dos diferenciais desta coleção é a habilidade de trazer um perfume mais sexy a essa estética (adorei ele usado com a bermuda bem baixa). Os maiôs cavados e recortados não são um privilégio das mulheres: eles estão em pessoas de todos os gêneros – aliás, essa nem chega a ser uma questão; os meninos já estão além disso.

Esses nômades do futuro, que fazem da rua a sua praia, são plurais, diversos, preocupados e engajados A.K.A seres mais evoluídos. Que eles tenham vida longa e a gente possa acompanhar sua evolução. (Camila Yahn)

Desfile Beira

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Beira – SPFW N46
out/2018
foto: Sergio Caddah / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Beira
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Beira
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Beira
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Beira
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Como boa minimalista que é, a graça da moda da Beira está nos detalhes. É uma roupa que não foi construída a partir de um tema diferente a cada coleção, e sim do caráter funcional da peça, que se desdobra e vai criando novas formas a partir da necessidade de confecção de partes básicas, como uma cava, uma gola, uma manga. “Não é uma coleção, é um discurso”, conta Lívia Cunha Campos, estilista e dona da grife, sobre seu processo de criação. Olhando para os looks dá para perceber essa ideia de continuidade em relação às outras coleções, com um frescor que vem do conceito como um todo, e não de uma coleção em especial: a ideia da roupa sem gênero, do foco no essencial abordado da maneira mais luxuosa possível, não do ponto de vista do exibicionismo ostensivo, mas de levar a investigação conceitual às últimas consequências, assim como o cuidado na execução do design.

Se de perto e com mais tempo as roupas seduzem cada vez mais, a coleção também causa boa impressão na passarela, dessa vez com uma cartela de cores única, amarelada, conseguida por meio do “destingimento” de tecidos de estoque da Beira. A partir daí, algumas peças ganharam pintura à mão por cima, o que criou desenhos como o quadriculado de alguns looks. Linho, algodão e seda são os tecidos dos macacões, de vestidos/túnica longos, da camisaria ampla que é um dos destaques da coleção, formando conjuntos lindos para meninos e meninas com calças ou calças e blazers. As costuras decorativas desenvolvidas a partir da costura funcional das peças são o toque de charme extra da coleção, e onde Lívia se debruçou nesta temporada. (CAROLINA VASONE)

Desfile Lino Villaventura

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Lino Villaventura
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Lino Villaventura
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Lino Villaventura
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Lino Villaventura
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Lino Villaventura
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Lino Villaventura
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Lino Villaventura é o nosso grande representante da moda brasileira mais próximo do espírito da tradição da alta-costura parisiense. São roupas com uma personalidade muito particular, autoral, com peças feitas para ocasiões especiais, com confecção de boa parte da roupa à mão. São todos requisitos cumpridos por Lino, que nesta coleção reafirma seu DNA com propostas para o verão, segundo o estilista, mas que dependem menos de estação e mais de ocasião.

As nervuras, os frisos, os plissados e os jacquards dão a textura rica e excêntrica que caracteriza a roupa de Lino, formando muitas vezes um patchwork de trabalhos artesanais com volumes e aspectos diversos. Os vestidos são de festa e são marcados por assimetrias, tanto nos decotes (muito de um ombro só, outros ombro a ombro com alças deslocadas) quanto nos volumes e barras das saias.

Nesta coleção, algumas peças como a blusa turquesa de cetim de seda e a jaqueta azul escuro brilhante texturizada sugerem uma ocasião menos formal, o que é muito interessante (imagine essas peças com uma calça jeans, por exemplo?). Na parte festa, destaque para os dois longos amarelos e os três azuis marinho, um equilíbrio entre o glamour e o exercício barroco excêntrico do estilista. (CAROLINA VASONE)

Desfile Bobstore

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

Bobstore – SPFW N46
out/2018
foto: Carolina Vianna / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

BobStore
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

BobStore
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

BobStore
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Resumo do Quarto dia de SPFW N46

BobStore
SPFW N46
out/2018
foto: Ze Takahashi / FOTOSITE

Os estilistas André Boffano, da Modem, e Samuel Santos captaram os últimos anos da vida da pintora americana Georgia O´Keefee, a partir da transição que ela fez para o Novo México. Sua obra foi inspirada pelo cerrado local, que por sua vez influencia a nova coleção da Bobstore com uma linguagem western e cores que vêm dessa fase da artista, como terrosos e laranja.

Para sua estreia no SPFW, a marca trabalhou seus três pilares: alfaiataria contemporânea, tricô (carro-chefe da marca já há duas coleções) e couro. “O mais interessante da passarela é você brincar com o conceito e o real, e então trazer essas roupas que as pessoas podem usar. As peças são, sobretudo, desejos reais. Poder usar o que é desfilado na passarela é o mais interessante”, diz Sam.

O desfile abre com Linda Helena e acontece em dois blocos, um com as referências western aplicadas a uma linguagem contemporânea, e o outro com as combinações cromáticas. Ao final, o jogo de luz desenhado por Maneco Quinderé cria um dos momentos de foto mais bonitos da semana.


E ai, o que acharam desse Quarto dia de Desfiles desse SPFW N46?

XOXO

pamela auto blogueira recife moda blog de moda blog moda recife, blog cinema recife, blog entretenimento recife, pamela auto, cabelo azul, blogueira de recife, moda recife, melhor blogueira recife

pamela auto blogueira recife moda blog de moda blog moda recife, blog cinema recife, blog entretenimento recife

Share This:

Pamela Autoo

Pamela Auto, Formada em Administração, 24 anos e Blogueira de Recife - PE. Acredito na liberdade de expressão e que podemos ser quem quisermos. Então sejamos nós mesmos, sem medo de ser estranho/weird! https://letmebeweird.com/

Você pode gostar...

Deixe um Comentário

%d blogueiros gostam disto: